26.3.12

Uma fotografia por dia... nº 2559

MFC - Pé de Meia
Soajo, 2011
Existiam em todas as casas, com mais ou menos requinte, para as alturas em que falhava a luz eléctrica... coisa que era frequente na minha meninice. Bastava haver um vento mais forte ou uma trovoadazita e lá se tinha que recorrer a um ou mais candeeiros a petróleo. Depois... aguardavam-se horas até que os homens da Chenop consertassem a linha!

64 comentários:

Mona Lisa disse...

Mais uma vez rebobinei o "filme das memórias". Recordei os que já eram adorno, em casa dos meus avós e, principalmente, os que fizeram parte da minha infância no Andulo/Angola, onde não havia homens da "Chenop"...faziam parte da noite a noite...

Belíssima foto. Adorei! (parece-me ser a continuação da 2517)É?

Beijos.

Margarida Alegria disse...

Ainda me lembro de uns candeeiros de petróleo na casa da minha avó. Embora não tenha recordações de muitos momentos em que fossem usados, felizmente.
Já a minha mãe falava de um quarto interior onde a sua avó mandava reunir todos, com as trovoadas fortes.Apagava as luzes, colocava um cobertor sobre toda a gente e tinham de rezar o terço até a trovoada abrandar.
É incrível como apesar de tudo em escassas décadas a luz eléctrica já vai chegando a quase todo o lado. E mesmo asssim...

joaquimdocarmo disse...

E... bateu cá uma nostalgia, mfc!? Nesse tempo dava-se muito mais valor à luz!...
Abraço
jc

Ana Paula disse...

Um belo objeto de igualmente bela utilidade.
Abraços.

Sofia disse...

Ainda me lembro de ver esses candeeiros em casa da minha avó. Mas nunca os vi em utilização.
Beijo

MENSAGENS AO VENTO disse...

______________________________


...sim! Principalmente no interior, eram muito usados...Talvez, um tanto mais simples que esse...


Beijos de luz e carinho!!!

Zélia(MundoAzul)

______________________________

Maria Emilia Moreira disse...

Olá, boa noite!
Esses objectos do passado continuam vivos em muitas casas.E que beleza possuem!!!
Abraços.
M. Emília

Miss Pippa disse...

Em casa da minha avó havia um igualzinho a este, que eu herdei ( mas confesso que não me lembro de alguma vez o ter visto acesso) e que tenho em cima da minha chaminé.
Acho estes candeeiros lindíssimos.

Reinadi Sampaio disse...

Quantas lembranças... O candeeiro, o prato... A casa dos meus pais. Ontem mesmo peguei dois pratos de cristal para conseguir em uma casa de comércio, alguma coisa semelhante a esse descanso para pratos, que vejo aqui.

Tudo isso é lindo demais de se ver, pois, nos faz sentir quão importante são objetos que tempos outrora não sabíamos do significado que teriam um dia em nossas recordações... (saudade).

Obrigada Manuel, por esse momento mágico.
Beijo.
Flor.

Lacorrilha disse...

A minha avó ainda guarda bastantes em casa. Um deles já lho roubei e tenho-o ali no meu quarto. Adoro coisas antigas e ainda mais se forem herdadas.

lis disse...

Essas peças fazem parte da história, desde antigamente...rs e quem as tem guarda como relíquia de uma época que o uso era muitíssimo necessário .Aqui havia outras menos elaboradas e comuns - as tais lamparinas .
O que continua ainda são os apagões até mesmo antes que se anuncie temporais( basta o céu se acinzentar rs),e a praticidade impôs o uso das velas que temos de todos os aromas.
Nessas horas gostaria de morar no interior (sempre) pra ver as estrelas na escuridão profunda da noite .
abraços fc

* como não podia ser diferente rs aqui a mudança de horário se dá no verão que terminou em fevereiro, estamos já na normalidade . (é 1h a mais no fuso-horário)
Ai é horário de inverno , não é?explique-me a razão .Vai até quando?Ficamos com uma diferença de 4hs ,parece.
Gosto dessa alternativa por ter dias mais longos com sol até as 20 hs.E no verão nada melhor que esticar as tardes ensolaradas pra ver o sol ir dormir.
fique bem/ e a gente se vê (?)durante a semana ...
com abraço

:.tossan® disse...

Aqui de vez ou outra temos o chamado apagão. Essa luminária é muito útil e bem fotografada. Abraço

Andy Santana disse...

Gostei do seu olhar atraves da foto.
beijos

hfm disse...

Olhei ali para o lado e vi um quase igual - das memórias.

addiragram disse...

Cá por casa tenho um...Espero que falte a energia para o acender!

Turista disse...

Amigo Mfc, pois cá por casa ainda subsistem 4 destes candeeiros, com intuitos meramente decorativos, actualmente.
Beijinhos e obrigada pelas tuas palavras, sempre amigas. :)

Pérola disse...

Que sorte a tua: só para as falhas da electricidade! Eu sou do tempo, em casa da minha avó, em que tais preciosos candeeiros a petróleo a par com os pavios em azeite, eram a única luz que quebrava a negritude. Recordo-me de fazer os deveres sa escola ao seu lusco-fusco. Não gostava. Preferia a luz crua da eletricidade. Mas, agora que acordaste tais recordações, deu-me a nostalgia. Que saudades da minha avó!

PECOLA disse...

Faz.me lembrar quando ia visitar a avó ao fim de semana. :)

Naná disse...

Mfc, tenho ainda 4 relíquias destas bem guardadas em casa. Lembram-me os tempos de infância, em casa do meu avô, que hoje é minha, e onde até aos meus 7 anos não havia electricidade...

Fa menor disse...

Ainda cá mora um parecido :)

Bjs

Maria de Jesus Lourinho disse...

Era até divertido. Um misto de medo das sombras e o aconchego da mãe sempre por perto.

Buxexinhas disse...

Que saudades da casa da minha avó... Igualzinha à da foto :) Cheirava sempre a café fresquinho... É tão bom relembrar... :) Beijinhos

Remus disse...

Homens da Chenop??
Não são homens do meu tempo...
:-)

Mas a fotografia também me trazem ternas memórias da infância. Inclusive, em casa ainda tenho isto tudo: Prato decorativo desse género, a cabaça e o candeeiro.

Vera, a Loira disse...

Adoro a descrição que fazes das imagens. Faz-me olhar para elas de uma forma mais profunda.

Neusa disse...

Adoro antiguidades.

Neusa disse...

Adoro antiguidades.

Margarida Belchior disse...

... ainda me lembro das noites de inverno em casa dos meus avós, sem nehuma luz eletrica - ainda não havia lá eletrecidade - e esses candeeiros serviam para alumiar tudo, ou tudo o que fosse preciso ...

... que recordações maravilhosas de um tempo passado onde podemos ir buscar "forças" ... é uma maravilha!!

:-))

Beijinhos grds, mai las "forças"

Andréia B. Borba disse...

Bom dia meu querido!
Lembranças assim carregamos pela vida afora...
Bjs e uma linda semana!
Déia

Anna^ disse...

Cheguei a vê-los em casa dos meus pais ,mas já na "perspectiva" de adorno.

maray disse...

então estou atualizadíssima!! Não, não tenho lampião, mas aqui continua faltando luz depois de cada chuva que nem precisa ser tão forte assim...tenho velas em quase todos os cômodos da casa..Pena que meu computador não funcione a velas também :)

Tanita disse...

mfc, obrigada pelo carinho**

Justine disse...

O que a tua fotografia me fez recuar no tempo: o candeeiro, o prato, até a luz da fotografia!
Muito belo, tudo...
Abraço

Menina no Sotão disse...

Na minha infância eram os candelabros e suas velas cor de creme a derreterem nos dias de tempestades. rs
Bateu uma saudade agora.
bacio

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

São lindos!! Tenho 2 que surrupiei à minha sogra :P

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

São lindos!! Tenho 2 que surrupiei à minha sogra :P

clutch and chic disse...

que engraçado! a minha mãe tem uns lá para casa e ainda no outro dia pensei em recuperá-los :)

AvoGI disse...

a malta de hoje nem sabe a falta que faz ter uma luz, aliás sabem que sem electricidade nao há facebook
mai nada
kis :=)
kis .=)

A Minha Essência disse...

Gostei particularmente desta foto porque recuei nos tempos de miúda e, lembro-me muito bem que a minha mãe e avó tinham. Já se partiu, mas de facto é uma peça muito particular nos tempos idos...

Kiss :)

ponto e virgula disse...

ainda tenho dois, e no ativo quando são necessários, que preservo com muito carinho. apesar de úteis e de grande valor decorativo são, principalmente, o reviver momentos na companhia de quem mos ofereceu.

uma fotografia que lhe faz justiça.






a...té

manuela barroso disse...

Luzes que não apagarão memórias dos tempos de menos luz. Acolhedora mesmo assim!
Beijinhos

Rute disse...

Esses candeeiros a petróleo trazem-me excelentes recordações...e não tão antigas quanto isso. eram usados por nós, no Monte de S.Lucas (Crato) todas as noites, porque lá nunca chegou a luz eléctrica. Também usávamos muito as simples velas...e era tão bom...:)) agora fiquei com saudades porque há alguns anos que lá não vou...:(

* Gostei muito da fotografia:)

1 beijo

La sonrisa de Hiperión disse...

Una estupenda foto costumbrista.

Saludos y un abrazo.

nacasadorau disse...

Todos os elementos da foto me remetem ao tempo dos meus avós. Ao tempo em que não havia electricidade, a outros tempos.
Belíssima foto.

Beijo

Coquinhas disse...

encantadora :)

Flip disse...

lembro perfeitamente...e deixa-me dizer-te que agora os chinocas inundaram a banda de novos aparelhos para o mesmo efeito, sinais dos tempos... mas é um regresso ao passado, manténs viva a chama
:-)
abraço

Betty Gaeta disse...

Faz tempo que não vejo um lampião deste. Por aqui era comum em sítios ou fazendas.
A foto está linda.
Beijos 1000 e uma semana maravilhosa para vc.

www.gosto-disto.com

gina henrique disse...

Esta foto é realmente um marco histórico nas nossas vidas e um elo de ligação também porque todos nós sabemos o que representou em tempos para cada um de nós.
Para mim todos aqueles objectos são perfeitamente familiares e com eles convivi nos meus primeiros dez anos de vida na vila raiana em que nasci sem luz elétrica e com água do poço.
Hoje como não sou muito fã de coisas antigas,fico apenas com as recordações e nalguns casos a saudade!

greentea disse...

faltar a luz???
nos meus tempos de menina ia passar as férias grandes para o Baleal e não havia luz nem água, só petromax ou velas e água eram os burros que a traziam do outro lado da praia, em bilhas

O meu pensamento viaja disse...

É por isso que a humanidade evoluiu mais nos últimos 100 anos, do que em toda a sua história.
Beijo

Marta disse...

Não sou do tempo deles Manel, mas acho os muito bonitos.

As tuas fotos são maravilhosas!

Janita disse...

Tenho um candeeiro de petróleo igualzinho, igualzinho a esse, Manel!
Trouxe-o do Alentejo, há muitos anos. Serve meramente como peça decorativa e tem grande valor estimativo para mim.

A foto está lindíssima!

Beijinho.

aflores disse...

Já lá vão uns anitos, desde que percorri a Serra do Soajo pela primeira vez. Foi num famoso Honda 600 (o meu primeiro carro... que saudades).

Gostava de ter uma casa grande para conseguir guardar tanta coisa que me vai passando pela mão e que faz parte da minha história, da minha vida.

Tudo de bom
:)
;)

Eli disse...

Lembro-me... "ainda sou do tempo"...

lol

© Piedade Araújo Sol disse...

tenho um que comprei numa casa de decoração, mas e um moderno, antigo..

Margarida disse...

Já não sou do tempo deles mas lembro me de ver alguns em casa da minha avó! :)

Deve ter sido à luz deles que muita boa gente, da idade da minha mãe, foi concebida! Lol

elvira carvalho disse...

Vivi até ao casamento num barracão de madeira sem água nem luz. A água, meu pai conseguiu abrindo um poço. A luz era de um acandeeiro mais ou menos igual a esse. Havia três no Barracão mas no quarto eu tinha um pequenino, de metal, bojudo. Chamávamos-lhe um "sempre-em-pé" pois assim que o tombavamos ele imediatamente retomava a posição. Quandoi eu queria ler à noite e minha mãe não deixava, metia-me na cama e enfiava o sempre em ´pé e a cabeça debaixo do lençol para ela não ver a luz. Muito trabalho deve ter tido o meu anjo da guarda para evitar que a cama se incendiasse.
Um abraço

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

E a menina das "troncas" restabelecesse as comunicações telefónicas

saboracasa disse...

quando vivia com a minha avó havia uma e e casa das amigas também ...
o que será feito desse candeeiro. fez-me relembrar anos e anos atrás que saudades!

Fatyly disse...

Ainda sou desse tempo e tínhamos vários:)

A foto está tão gira:)

maceta disse...

estão pelo menos dois numa prateleira na casa antiga...

luisa disse...

Ainda existem dois desses em casa do meu pai. Aqui pelas minhas bandas a eletricidade tardou em chegar e eu já era crescida quando isso aconteceu. Lembro-me bem. :)

Paula Nogueira Guerra disse...

O valor da simplicidade: TODO!!!!

Canto da Boca disse...

Bela memória, diga-se de passagem. Um belo recorte, Manel!

Elisa T. Campos disse...

Que lindo

Tinhamos uma lamparina assim.
Bjs