22.9.14

Uma fotografia por dia... nº 3469

Sortelha, 2014
São olhares lindos à primeira vista, porém, se repararmos melhor há um sentimento de tristeza e de alguma angústia que nos toma. As janelas, cerradas com ar de que há muito não são abertas, são um sinal claro do desenraizamento destas gentes, que foi obrigada a deixar os seus lugares de sempre. Os muitos que contribuiram para que esta desgraça acontecesse não têm perdão.

10 comentários:

Boop disse...

As coisas tristes não deixam obrigatoriamente de ser belas.

Boop disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
L.S.A. disse...

Não tinha lido ainda o que escreveste, e quando li já sentia precisamente as palavras com que acompanhaste a fotografia.
Penso que a luz que ilumina as janelas são reflexo do Céu através dos espaços vazios da mata, o que lhe dá um ar surreal...!
No Interior a desertificação é cada vez maior, e o que é mais és-
tranho é que as casas e quintas não são vendidas embora muita gente que conheço, tente comprar. Algumas são já ruínas autenticas.
Penso que por vezes há motivos sentimentais, a que os netos não ligam já importância.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Há sempre um lado B que desmistifica as aparências

Branca disse...

Realmente triste mas a foto muito bela.
Um abraço.

Remus disse...

Excelente aproveitamento da luz. Com o sol assim a espreitar por entre as folhagem, a fotografia ficou mágica.

© Piedade Araújo Sol disse...

casas de xisto.
gosto!
:)

Fatyly disse...

Tens toda a razão e infelizmente cada vez mais são as "casas vazias" do que as contêm vida. Até nos grandes centros o que é imensamente triste!

Graça Pimentel disse...

Vamos lá a ser positivos. Estas janelas fechadas escondem um ambiente íntimo, acolhedor.

beijinho

Paula Borges disse...

E quem é que não contribui para as desgraças, haverá alguém?
Diga-me o senhor???