24.7.12

Uma fotografia por dia... nº 2679

MFC - Pé de Meia
Guimarães, 2012
Muitas senhoras dizem, sem pensar, quem me dera ter vivido naquele tempo! E dizem-no com a inconsciência dos direitos que entretanto ganharam, pensando que tudo foi como é hoje! Ora nada foi como é hoje. Associam aquele tempo ao romantismo que leram outrora em livros que retratavam tudo... menos a realidade! E tomam alegremente a nuvem por Juno!

35 comentários:

Dudis disse...

Olá, obrigada pela visita. É verdade, eu também o tenho dito, exactamente pelo romantismo e pelos vestidos enormes :)
De resto, prefiro sem duvido o tempo presente, onde tenho o direito de quase tudo, e a liberdade para o viver.
Boa semana, bjos doces

Mona Lisa disse...

Dizem , com razão...Quem me dera viver a tranquilidade de outrora!

Nada foi como é hoje! tens razão! Hoje, estamos bem pior!

Adorei a tua foto. o P&B deu-lhe o toque nostálgico do romantismo de outrora.

Beijos.

Márcia Maia disse...

Com certeza!

Saudade de vir aqui. Culpa do muito trabalho deste meu lado do mar.

Um beijo.

Bípede Falante disse...

nenhuma época é perfeita
nenhuma beleza
e a gente menos ainda...
beijoss

Z.M.Z. disse...

Há quem continue a sonhar, (mas isso deve ficar para sempre...) e quanto ao amor... deixa-me rir!
Aí devem ser D. Pedro e Dona Inês os culpados...!
Quanto ao resto... está na alma Lusitana...

Marina Sena. disse...

É, hoje mesmo andei vendo um filme sobre isso. chama-se "Midnight in Paris", do W. Allen. Nunca estamos felizes na época em que vivemos, como se uma anterior fosse sempre a de ouro. Mas essa é uma visão falsa, que nos envolve como a visão de um sonho.

Linda foto.

até.
bjo, bjo, bjo...

AvoGI disse...

eu digo de coraçao : adorava por causa dos vestidos e carretes todo aquele romantismo.
kis :=)

Paula Barros disse...

Olhando as fotos, para descansar olhos e mentes.
Sempre belezas de fotos, me chamou a atenção a da máquina fotográfica.

abraço

Canto da Boca disse...

O saudosismo do não vivido. As gerações futuras nos olharão com os mesmos olhos de desejo...

;)

tossan® disse...

O tempo passa e continuo ser romântico. Isso me dá T... E ela gosta. Belíssima B&w! Bravo! Abraço

PS: Não importa o tempo em que se vive o importante é que a nossa emoção sobreviva! PCP

NãoSouEuéaOutra disse...

Olá Pé de meia,

faço um exercício de auto - disciplina, de ler o seu texto do dia e de seguida, comentar, sem ler os comentários já expostos; só depois o faço ( nem sempre ). contudo há comentários que também, gostaria de dar uma palavrinha, por serem tocantes. não há ferramenta aqui que permita isso, tendo sempre em conta o texto que escreveu.

voltando ao essencial, é bem verdade o que escreveu. o ser humano por sua natureza é um insatisfeito e um sonhador, e o presente parece ser sempre uma espécie de anedota.
a minha infância foi passada mais ou menos entre os MAIORES, ou seja pessoas já com certa idade. sempre os ouvia dizer, «naquele tempo é que era viver; naquele tempo as sementeiras eram de facto um organismo bem vivo na terra.... e assim por diante!» com meus olhos de crianças, pensava, «que antiguados!!» lentamente fui crescendo, e agora compreendo mais ou menos! há qualquer coisa na idade, qualquer coisa que agarra por dentro e parece vomitar um espaço e tempo, e com ele uma ânsia... como se nela existisse a fuga, essa que impede de ver o que quer que seja, como o sentimento da perda e perca; o amor não vivido totalmente; a festa vivida mas não saboreada...

depois, tem essa coisa, a literatura romântica delegada por gente que gostava de se auto-prazer... e ninguém fala que nesse romantismo, ao lado a sífilis era uma flagelo, a cólera e a peste... era do interesse fazer sonhar as jovens, até que a morte fatal as consumava após a noite das núpcias, e quando não eram casadas por conveniência, e detestavam os maridos...
essa parte da história. ninguém pretende contar... é bonito escrever e fazer roteiros a filmes sobre Maria Antonieta e suas loucuras, e seus luxos... tudo parecia um mar de flores!! isto alimenta colectivos... e ninguém se lembra que a França não era só Maria Antonieta... existia uma plebe vagueando faminta, cujos amores eram o pão de cada dia!!


Outrora, as fábricas eram tão manuais... o empregado tinha de suar... hoje, a tecnologia já não precisa de tantas mãos, logo de tantos homens... os homens, hoje ficam à janela a ver a tecnologia a trabalhar e a roerem as unhas, descontentes...

um abraço pé de meia...

lis disse...

Ainda bem que sou senhorita rsrs nunca digo isso ... hehehe
mas sou romântica e gosto de livros de 'outrora'
alguma coisa contra sr.pé-de-meia?
... é mais ou menos como confundir a areia da praia com a areia do deserto... rs
ou não?
abraços e beijinhos

Naná disse...

Mfc, não vivi nesse tempo, mas sei seguramente que teria sido profundamente infeliz e possivelmente seria uma reaccionária...
Bom dia!

cycle disse...

A foto faz-me lembrar os campos de concentração nazis

Hugo de Macedo disse...

Muito bom conjunto (foto+palavras), mfc.

Margarida Belchior disse...

... que ângulo fantástico!! ... e a P&B ... :-) ... estou maravilhada!!

... quanto ao sonho ... comanda a vida!! ... o que seria de nós sem ele?!? ... ainda não paga imposto!!

... viver naquele tempo?!? ... havia os nobres e os "criados", os "escravos/as" ... qual destes papéis gostariam de encarnar?!? ... não tenho dúvidas de qual, mas só em sonho, mesmo!!

:-))

Beijinhos grds, sonhadores

marciagrega disse...

A saudade do passado consiste em que, o ser humano, registra na memória só os momentos de alegria, os outros ficam esquecidos em um canto da mente....

Bjusssssss

C. disse...

Concordo plenamente. As pessoas às vezes não sabem agradecer o que têm.

Blackye disse...

Há certos livros que realmente nos fazem desejar ter nascido anos atrás, mas para quê pensar nisso? Vivemos onde vivemos, por alguma razão será..

Tanita disse...

"Sou estou bem aonde não estou"
Bj**

addiragram disse...

A fotografia é extraordinariamente bela.Quanto à época só foi bela para alguns. Veremos se não voltaremos a esses tempos....

Janaina Cruz disse...

As vezes ignoramos os males cabíveis de cada tempo, e pensamos nas coisas ao nosso modo de ver... Ou seja colocamos uma fantasia em tempo não real.

Abraços, muitos...

Andy disse...

eu também associo todo aquele romantismo a uma época, mas sem dúvida que tens toda a razão!

beijinho mfc!

Andy disse...

belíssima fotografia!

Multiolhares disse...

Eram tempos diferentes, com vivências diferentes, com não havia termo de comparação a vida era vivida dentro de parâmetros normais para a época, mas tens razão seriam bem duros, mas que dirão daqui a uns 200 anos de nós?
beijinhos

maria madeira disse...

Ora nem mais mfc, um dia destes a "discussão" à mesa foi sobre o antes 25 de Abril e as mulheres. E dizia eu que seria muito complicado para mim viver nessa altura. Felizmente cresci na liberdade e aprendi a respeitar os direitos que essa mesma liberdade me trouxe. Seria incapaz de viver sem ela. Esse sim, é o romantismo que me interessa. Que respeito. A realidade que quero e felizmente tenho.

Vera, a Loira disse...

E eu que achava que elas diziam isso por causa dos corpetes.

L.Reis disse...

Mas o passado é isso mesmo...esse lugar que romantizamos porque podemos. Esse lugar que fica lá longe, que já não pode fazer mal e por isso e só por isso, sempre melhor que o presente :)

Pérola disse...

A realidade era diferente consoante os berços onde nascia. Para os abastados e com possibilidades de ler e estudar até poderia ser tempo de encantos.
Para a maioria não o seria, de todo.
Como hoje em dia, afinal.
beijinhos.

maceta disse...

a magicarem cavaleiros andantes...

Remus disse...

As inconfundíveis chaminés do Paço dos Duques. O tempo em que para aquecer uma divisão, só mesmo com uma lareira.

Reinadi Sampaio disse...

Por mais dura que seja a realidade, serei sempre uma romântica incorrigível!

Tua imagem é bela, já me imaginei aqui: nuvem com asas voar...
Desbravando todo o infinito!

Adorei tudo que vi aqui hoje. Parabéns meu amigo.
Reinadi.

Paula Nogueira Guerra disse...

É verdade! Pois em todos os tempos houve as suas partes boas como as menos boas... há que dar valor a tudo!

Um beijinho docinho xxxx

Fatyly disse...

Apesar dos pesares...voltar aos tempos do antigamente...deus me livre!

Mas fizeste uma conjugação perfeita!

Elisa T. Campos disse...

Em cada tempo se é feliz a sua maneira, de acordo com o que a civilização foi oferecendo.

Texto excelente.
Bjs.