20.6.12

Uma fotografia por dia... nº 2645

MFC - Pé de Meia
Braga, S. João de Bastuço
Há muito que não se pendura roupa naquelas molas! Estarão para fora?! Ter-se-ão mudado?! Sei é que aquelas molas não têm sido usadas. Foi vendida a propriedade?! Os donos terão morrido?! Ou simplesmente utilizarão um outro lugar para estas lides domésticas?! Não... não é o guião de um filme policial, mas apenas interrogações que me surgiram agora.

48 comentários:

Mona Lisa disse...

Também nós tecemos, qual aranha, a nossa teia de sonhos tanta vez, parecendo abandonados...

O teu olhar atento resultou nesta fantástica foto!ADOREI!

Beijos.

Margarida Alegria disse...

Que foto especial e inspiradora! Parabéns!
Um beijinho!

Mona Lisa disse...

Emendando...

...parecendo abandonada.

Beijos.

Margarida Belchior disse...

... o começo do guião já aí está!! ... agora é só continuar e policial promete!!

:-))

Uma foto como só tu consegues apanhar.

Beijinhos grds, prometidos

Pec disse...

Será que só usam máquina de secar?

:P

Bela foto, de qualquer forma. Gosto do contraste da cor e do pressuposto movimento rotineiro das molas com a intemporalidade da teia.

Tétisq disse...

Objectos quotidianos abandonados, sem uso, deixam-me sempre triste...muito bonita*

Noslen ed azuos disse...

uma linda imagem nua!?

abraços
ns

:.tossan® disse...

Nada disso meu amigo, vieram aqui pra São Vicente visitar as pressas o neto que acaba de nascer, mas a moçoila assim que pariu casou, por isso a demora e as teias.
Excelente perspectiva fotográfica meu caro, com o fundo desfocado como eu gosto e tento fazer e nem sempre consigo. Abraço

yolcu disse...

I think they stop there for a long time.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

A foto está muito bonita. Houve, porém, alguém, que não se despediu de tudo...

Um abraço

Naná disse...

E haverá tantos cenários destes por este país fora...

saboracasa disse...

Texto fantástico acompanhar uma imagem Linda (que puderão contar estas molas?)

Beijocas
paula

Adelina Silva disse...

Grande pormenor!!! Excelente!!! As cores das molas estão emparelhadas... O que contam os objectos de nós?

Xs disse...

Muito gira!!

lis disse...

Tantos pensamentos m'uma foto aparentemente esquecida !quase indiferente aos passantes.
Não para um bom fotógrafo...
azul rosa e esse fundo opaco rs muito bom!adorei fc

Fatyly disse...

Quando me deparo com cenários como o da tua foto genial...acontece-me o mesmo e por vezes bate uma baita de uma tristeza. Enfim...tudo tem um FIM!

abspinola disse...

Belo registo e bela imaginação.
Bjstos

aflores disse...

Como está tempo incerto, provávelmente usam a marquise :))))

Digo eu.

Maria de Jesus Lourinho disse...

Seja o que for que aconteceu aos moradores, as aranhas ficaram indiferentes e fizeram o seu trabalho descansadas. Tu não. Viste e inquietaste-te.

SOL da Esteva disse...

Esta tua significativa Imagem, sugere que já não "há roupa na corda".
O dito é do "antigamente", quando havia que "desviar" a conversa pela aproximação de "abelhudos".

Abraços


SOL

Graça Pimentel disse...

Interrogações para um fotografia linda.

beijo

Pérola disse...

As aranhas são muito céleres na montagem da sua teia. Podem ter sido utilizadas há 2 dias e as aranhas retomado a sua casa.
Ou então, tens razão, outros motivos estarão por detrás das molas semi abandonadas.
Um beijo.

Paula Nogueira Guerra disse...

As mudanças das pessoas pode ou não trazer mudanças em tudo o resto!

Excelente foto :)

Pretty in Pink disse...

Eu sou tal e qual, quando vejo algo de incomum, surgem-me logo esse tipo de pensamentos :)

Beijinho*

maray disse...

aqui são chamados de pregadores. Pouca gente ainda usa o varal nas cidades grandes. tive que comprar uma máquina de lavar nova e quase brigo com o vendedor que me queria empurrar uma lava e seca. E onde eu iria encontrar aquele cheirinho de roupa seca ao sol? Aquela brancura e brilho de roupa seca ao vento? Uma das minhas felicidades é essa: ter quintal, plantas, bichos e ...pregadores em uso!!

marciagrega disse...

Realmente a imagem nos remete a uma reflexão...Pra ter criado teia de aranha certamente não estão em uso...

Beijos

addiragram disse...

Uma bela fotografia transformada num lugar habitado pelo mistério...

Multiolhares disse...

as pessoas continuam na casa, mas... a máquina da roupa avariou, a água esta muito cara, o sabão acabou,as dores nas costas não deixam ir para o tanque como não há emprego estão todos em casa como no tempo de Adão e Eva com uma parra, assim vai a vida.
beijinhos

tulipa disse...

Teias de aranha é o que mais há por aí, aqui ou acolá...

Obrigado pela tua visita e comentário deixado.

A visita à Casa
onde a José Maria da Fonseca
foi fundada em 1834
permite ao público conhecer um pouco mais da história desta empresa familiar,
onde os valores passados de geração em geração,
continuam actuais
e permitem projectar a empresa no século XXI.

Construída no século XIX foi restaurada em 1923
pelo arquitecto Suíço,
Ernesto Korrodi, tendo sido a residência da família Soares Franco até 1974.

Com uma fachada e jardins de beleza muito especiais,
tem estado desde sempre associada à imagem da José Maria da Fonseca.

Claudia disse...

Adorei a imagem e o texto, relamente condizem uma com a outra...e quero aproveitar para agradecer os comentários deixados lá no meu blog, são tudo de bom...abraços e até mais!

manuela barroso disse...

Imaginativas aranhas!
Pelo menos parecem ser feizes em qualquer espaço!
Beijinhos

Maria disse...

Seguiram o conselho do Primeiro Ministro e... imigraram.

AF disse...

isto chama-se captar pormenores! ;)

Ana Paula disse...

Adorei a foto e saber que aí chamam-se molas.
Abraços

NãoSouEuéaOutra disse...

Caro Pé de Meia, se quer mesmo saber a resposta, pois então, aqui está: as molas, as teias, a corda estão aí para que o senhor pudesse tirar essa fotografia. Esta é a simples verdade. Caso contrário, nem fotografia, nem processo de questionamento!! Risossssss....

Remus disse...

Pode ter acontecido isso tudo, mas com a crise, também pode ter acontecido que as pessoas que aí moram, deixaram de ter roupa para sujar e para secar. Ou então não existe meios para lavar a roupa...

luisa disse...

Objetos comuns, domésticos... que numa fotografia se transformam quase em obra de arte...
O que eu gosto disto!

Fa menor disse...

As aranhas tecem as sua teias de um dia para o outro... muitas vezes somos apanhados nelas.
:)

Anna^ disse...

Muito bonita esta fotografia...e supostamente agudiza a nossa curiosidade, sempre à "espreita" de histórias. :)

Juliana Lira disse...

Os prendedores parecem novos, talvez sejam apenas ocupados.

Beijos

Mena disse...

Linda foto!

Bj

Blackye disse...

É o país que vai ficando....

je suis...noir disse...

Talvez já não haja nada ali para "pregar"...

(Aqui diz-se "pregadeiras":))

© Piedade Araújo Sol disse...

uma foto muito boa!

o que te descobres!

beij

Reinadi Sampaio disse...

Uma palavra: arte!
Belíssimas obras de arte!

Beijo.
Flor.

Ana disse...

E são interrogações válidas. Na verdade, estende-se roupa quase diariamente, dá que pensar sim, e também dava um bom guião ;)

A foto está excelente, adoro pormenores como este!

Elisa T. Campos disse...

Aqui são prendedores ou pregadores.
Mas a beleza está que elas, as aranhas vieram se instalar de livre e espontânea vontade.

bjs.

Tanita disse...

Fotografaste-me a alma.