4.4.12

Uma fotografia por dia... nº 2568

MFC - Pé de Meia
Montalegre, 2011
Lembro-me, em miúdo, de comer sopa feita nestes púcaros de ferro e do sabor único que tinha! Era uma sopa forte com alguma carne e variados vegetais, que era comida numa malga com um garfo e, aos poucos, íamos entornando a malga para beber aquele líquido suculento! Era uma refeição completa.

56 comentários:

Margarida Belchior disse...

... uiuiuiu ... tenho umas recordações dessas panelas nessas "trempes" - como se dizia na Beira Baixa, no Ribatejo, no Oeste, ... parece que até me chegou o cheiro dessas fantásticas sopas - as famosas de cozido - huuuummm...

Tenho o sonho de ter uma chaminé assim, com essas panelas nessas trempes e fazer uma sopa dessas ... :-))

Beijinhos grds e melhores sonhos

Mona Lisa disse...

Do que te lembraste!!!
Que saudades!!!

Rebobinei o filme das memórias e vi-me em casa dos meus avós, quando cá vinha de férias.

Eram momentos de aventura/únicos, pois tudo era novidade.

Hummmmmm...senti-lhe o cherinho e o sabor...
Ahhhhhh...acompanhava-a sempre com broa.

Belíssima foto! Uma relíquia!

Beijos.

Ela disse...

eu amo sopas.

A propósito estou cozinhando uma de frango!

Sofia disse...

Essas sopas deviam ser mesmo consistentes... e boas! :)
Beijinho*

Sam Seaborn disse...

Muito boa a fotografia, passado é sempre uma parte integrante da pessoa que somos e devemos ter orgulho nisso. Eu Já não tive acesso a esse tipo de recordações ”vividas”, mas ainda me recordo das histórias que a minha avó me contava. Abraço

Janita disse...

Essas panelas de ferro não fazem parte das minhas memórias de infância, mas tenho uma igual à que está no lado direito da foto no...jardim! Cheia de terra e com uma bonita azálea.
Há imagens que nos transportam a um tempo nostálgico e distante. Esta é uma delas!! Não pelas panelas, mas pelo "lar".

Um beijo.

João Menéres disse...

Os púcaros tenho !
A sopa, essa já há dezenas de anos que se foram...

Um abraço.

Leninha disse...

Ai amigo,que saudades da trempe do fogão,das panelas de ferro e do sabor daquelas comidas...chego a sentir o cheiro...
Bjsssssss,
Leninha

dade amorim disse...

Aqui quase sempre temos sopa para o jantar, é mais leve que uma refeição sólida. Mas lembro que minha mãe fazia sopas bem parecidas com essa que você descreve. Muito boas, por sinal.

Beijo.

Eli disse...

Lembro-me do cozido. Aquelas batatas não eram as mesmas!

Margot Félix disse...

Os sabores da infância não se repetem, mas vale tentar.

Fiquei a pensar na sopa. Nham!

=)

tossan® disse...

Se viajar pelo interior do Brasil e Portugal, ainda veremos muito isso. É uma refeição melhor do que qualquer restaurante caro da capital. Belíssimo apanhado. Abraço

rouxinol de Bernardim disse...

Velhos tempos. Parecia a «sopa de pedra»...

Boop disse...

E o caldo verde....
Hummmmmm!!!!!
(acho que a única coisa que comi feita nestes potes de 3 pernas! - ehehehe)

(e parece-me que também estão de parabéns...)
;)

greentea disse...

a minha sogra também a fazia assim , quando a conheci há anos (muitos...)
depois , lá aceitou os modernismos dos filhos e remodelou a cozinha com fogão a gás , esquentador e máquina de lavar

clutch and chic disse...

que delícia!

abspinola disse...

Lembro me perfeitamente a minha Avó, acendia a sua lareira enorme dentro da cozinha, estamos a ver uma casa minhota em pedra, antiga, com chão em madeira, mas muito caracteristico e dá me uma saudades e uma nostalgia de perda, a minha avo tinha 3 tachos desses e fazia aquelas sopas a minhota, consistentes, basta um prato de sopa e ficavamos bem.

Que saudades...
BOA Foto como sempre.
Bom dia
Bjstos

Pérola disse...

Desperdaste recordações. Que suculentas sopas comi confecionadas nestes utensílios de metal. Para além da comida, lembro-me do seu peso, descomunal e na maneira de se lavarem. Por fora, bastava tirar a fuligem arragada.
Que viagem no tempo me fizeste percorrer! Também serviam para aquecer água para todos os fins. Não existiam esquentadores e afins.
Obrigado pelo avivar da minha infância.
Beijinho

folha seca disse...

Caro MFC
Aceitei a sugestão do Carlos Barbosa de Oliveira e vim dar uma espreitadela. Gostei do que vi e se me permite vou ficar.
Parabéns pelo blog.
Cumprimentos
Rodrigo

NãoSouEuéaOutra disse...

também existem em preto. são bem pesadinhas. hoje são uma obra de arte. os três pés (soldados) que suportam a panela, são fundamentais para ir ao fogo. ainda muito boa gente a usa por esse Portugal profundo.

abrç

ponto e virgula disse...

OiOiOiOi...

olha o que me vens lembrar...
para já, as fotos estão rigoras no encanto e depois... bem, depois vem a memória a avivar-se e o recordar dos tempos que me sentava à beira delas, com o prato na mão e mesmo ali, a saborear as ementas, tão únicas, tão deliciosas. que saudades!



a...té

Xs disse...

Xiiii!
Eu olho para esses potes, e vejo-os tão.... sujos?
Como é possível cozinhar aí?
(Sou mesmo esquisita, eu sei!)

Fatyly disse...

Só em Portugal é que conhecia essas lareiras, púcaros e os chouriços pendurados os tais fumeiros, porque lá não havia nada disso, tudo era feito ao ar livre e no fundo do quintal ou até no areal da praia (os famosos pique-niques e só muito mais tarde é que vieram os famosos fogões não me recordo se a lenha/carvão ou já a gás.

Naná disse...

Ainda me lembro das trempes nas matanças de porco!
Obrigada por esta foto e bem acompanhada dum excelente texto!

Remus disse...

E hoje já não come dessas sopas de "refeição completa"?
Não precisa destas panelas para nada. Só precisa de vontade e de paciência e habilidade na cozinha. :-)

Maria de Jesus Lourinho disse...

As melhores batatas cozidas que comi em toda a minha vida foram cozinhas numa panela assim na Serra da Estela

Vera, a Loira disse...

Oh... fizeste-me lembrar da avó Joana.

maray disse...

eu usei muito essas panelas num sítio de uma amiga, que mo emprestava, quando meus filhos eram pequenos. Os médicos por aqui até diziam que essas panelas eram ótimas porque desprendiam ferro, que seria impostante para nosso organismo. Não sei se de fato o ferro que sai delas é significativo, mas as sopas e cozidos que eu fazia eram sim, bastante significativas pros meus filhos!! E tudo isso num fogão a lenha, cozendo tudo bem devagarinho. Bons tempos e boas lembranças.

bjs

Libel disse...

E essas panelas custam para cima de um dinheirão. Faz uns dias deu uma reportagem sobre essas preciosas. Para além de deixar a comida com um sabor inagualável e irresistível, poupa-se no gaz. Ora aí está. O people que tem lareira em casa, já considera essa opção para fujir à crise. E não é que não é má ideia, aliás...tem tudo para ser melhor. No programa estavam a cozinhar jardineira de borrego ou cabrito ou lá o que era, tinha cá um aspecto, Jasus até o cheirinho me assaltou a tv.

A foto está rústica e com um paladar de subir aos céus.

Mas como dizia, o raio das panelas são caras e já não são o que eram, agora é só imitações baratas. Só nas feiras de artesanato talvez se encontrem com qualidade.

Beijos

Irene Alves disse...

Lembro-me muito bem de ter ido
passar uma Páscoa a Viseu e ter
comido um maravilhoso caldo verde
feito numa peça dessas.
Cheguei a ter uma em casa de m/mãe,
depois rompeu-se e deitei fora.
Beijinhos e Feliz Páscoa.Irene

♥ Luciana de Mira ♥ disse...

QUe interessante! Adoreia sua descrição :D

Mar Arável disse...

Excelente memória

Abraço

Multiolhares disse...

Nem me digas nada... quando ia á Serra da Estrela a casa de uns amigos a comida feita nessas panelas na lareira era um manjar dos Deuses.
bjs

maceta disse...

lembro-me dos meus avós...

Pretty in Pink disse...

Beeem deve ter um sabor único sem duvida! Adorava experimentar :D:D

Beijinho*

Canduxa disse...

Também me lembro....uma sopinha deliciosa que até nos consolava a alma.
ah, amanhã já estarei com púcaros identicos a olharem para mim....talvez faça uma sopinha da pedra!

O meu abraço

Paula Nogueira Guerra disse...

Esta tua foto fez-me lembrar esta minha foto:
http://photonoguerra.blogspot.pt/2012/01/village-of-peva-2-almeida-portugal.html

Bjs doces xxxxx

Menina no Sotão disse...

Nossa, que saudades aqui. Lembrei-me das coisas da infância. A sopa de sexta-feira, o chá de fim de noite. O leite pela manhã e a tora a arder nas chamas...
Senti até os sabores aqui entre meus lábios. bacio

Fernanda disse...

Do tipo Sopa de Pedra, sei!!!

Comi ontem um Caldo Galego, mas pouco ou nada tinha a ver ...

Beijo

Fa menor disse...

Sabores e cores dos velhos tempos!

Boa Páscoa!

Bjos

Reinadi Sampaio disse...

No meu Sertão, na minha infância, era tudo assim. Lembro-me perfeitamente do prazer de sentir cheiro das sopas, meu Pai que preparava. As panelas reluziam entre tons de ouro e cobre (risos), depois dava um trabalho limpá-las - fogões de lenha... - hoje belos nas minhas lembranças...

Belo teu momento Manuel!
Beijo.
Flor.

© Piedade Araújo Sol disse...

memórias que ficam.

Canto da Boca disse...

Uma memória saborosa como a(s) sopa(s) e a foto!

;)

Jorge disse...

É tal e qual a cozinha da Ti Maria, ali para as bandas de Águeda! Arte e aconchego!

cycle disse...

Adoro sopas!

manuela barroso disse...

...só uma vez por ano eram usados na "casa do forno" ara fazer as alheiras...
Hoje, peças de museu.
Uma fotografia muito pessoal...
Beijinhos

Graça Pimentel disse...

Muitas vezes consegues levar-me muito longe. À Silvã onde comi tanta sopa feita nestas panelas com água da mina, batatas e vegetais da quinta, azeite dos olivais da casa,...
Sei que não se deve ser saudosista mas tenho saudades desta sopa que os Continentes e os Pingos Doces não nos permitem fazer.

Beijinho e obrigada pela lembrança.

Ana disse...

Tenho tanta curiosidade, toda a gente gaba a comida feita nesses púcaros ao lume e eu, nunca provei :(

Ana disse...

Ah... Adoro a fotografia :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Também me lembro muito bem. Em miúdo as únicas sopas a que não torcia o nariz eram as feitas assim

Existe um Olhar disse...

Boas recordações que tenho dessas sopas cozinhadas na lareira da minha avó e nessas panelas de ferro e que tinham um sabor único.
A foto fez-me recuar no tempo e soube-me bem.
Beijos
Manu

Custódia C.C. disse...

No meu Alentejo são de barro, mas o sabor e as memórias são idênticos :)

Eclipse com Amor disse...

Qualquer dia descobrem que o segredo da longevidade era esta sopa...

Lua

Elisa T. Campos disse...

Me lembrou do arroz e feijão que minha mãe fazia. Tempos que não voltam mais.
Bjs.

A.C: disse...

Ainda hoje quando me desloco para uma casa de aldeia (chamo-lhe assim) uso para cozinhar... para fugir á cidade tduo lá é cozinhado a lenha ou no forno ou na lareira ...HAJA LUZ

Noslen ed azuos disse...

covardia....deve ficar maravilhosos os caldos!

ns