20.4.13

Uma fotografia por dia... nº 2949

Póvoa de Varzim, 2013
Já um dia impante cortou as ondas desta barra, que é a passagem única para o mar alto! Já não o fará mais. Conheço-o ali faz anos, mas de cada vez que por lá passo, tem menos um bocado do casco. Em breve os chorões (que nome mais apropriado o destas plantas, quais carpideiras num velório...) darão sepultura condigna ao que dele resta.

9 comentários:

Mona Lisa disse...

Tal como na vida, temos sonhos atirados ao chão envoltos em saudades, quais chorões que tentam destruí-los.

Aos meus, não lhes vou dar sepultura...a esperança, mesmo que ténue, perdurará...

Mais uma foto que só podia ser tua!

Única, rara, bela!

Beijinhos.

Z.M.Z. disse...

Não.
Os chorões nunca lhe darão sepultura condigna, pois irão mostrar a toda a gente que foi abandonado com razão.
"Com razão...!"
O que é a razão...?
Razão e verdade para mim é tão confuso!
Bom fim de semana para ti.

Fatyly disse...

Fizeste uma reportagem fotográfica sobre a faina da pesca, aquela écharpe não achas que seria áspera demais?:) os barco de recreio nos quais não iria de forma alguma:) e terminas com estes restos mortais do que foi um barco...que proliferam por tantos locais...porque tudo tem o seu fim. Ao contrário do que dizes, deveria ser retirado que os chorões agradeceriam.

És genial. Gostei imenso!

Abraços

Caroline Godtbil disse...

Como a vida... como nosso tempo nesta terra... a poesia de tudo está em nossos olhos, em nossa atitude, na disposição de nossa alma. Beijos.

Mar Arável disse...

Não existem amanhãs

sem boas memórias

Mz disse...

Nada dura para sempre e até as memórias se vão com quem parte.

PERSEVERÂNÇA disse...

olá!
Amado sumido, como vai vc?
Passando para deixar um abraço fraterno e dizer que não desapareça do Perseverança que vc é sempre bem vindo por lá.
Abraço.
Nicinha

Janita disse...

Já um dia navegou vigoroso e forte. Hoje repousa, não no mar, mas junto à vegetação que lhe dará a cobertura eterna. Os chorões ainda não floriram, mas já falta pouco.
Concordo contigo, Manel! Serão eles que lhe darão a sepultura condigna; não como falsas carpideiras e sim, com lágrimas sentidas e verdadeiras.

Beijinhos amigos!:)

Graça Pimentel disse...

Tem o seu fim como tudo e todos...

beijinho